Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

CATIVANDO O CORAÇÃO DELE CONTINUAÇÃO

SOU UMA MULHER AMADA, ACEITA, VALORIZADA,UNGIDA, ABENÇOADA, CONTROLADA, SÁBIA E VITORIOSA EM TODAS AS ÁREAS DACAPITULO 15
O PODER DO SONHO COMPARTILHADO

Quando estou em um avião, adoro conversar com as outras pessoas. Sempre sinto que Deus tem seus divinos compro¬missos com quem quer que Ele coloque sentado ao meu lado, e hoje não é uma exceção. Estou voando de volta de um retiro no Alasca. Acabei de concluir uma incentivadora conversa com o homem que está sentado ao meu lado. Ele me disse que faz trinta e um anos que ele e sua esposa estão casados e que ele ainda está loucamente apai¬xonado por ela. Eu lhe disse que estava escrevendo um livro sobre o casamento, e que adoraria saber o que os ajudou a permanecerem juntos durante todos esses anos. Ele me respondeu que não é com¬plicado. Ele a respeita e ela o respeita. Ele faz o que pode para vê-la feliz, e ela faz o mesmo.
Perguntei o que manteve a paixão no relacionamento. Então falou-me do sonho que compartilharam durante toda a sua vida conjugal. Durante trinta e um anos eles tinham o objetivo comum de economizar dinheiro suficiente para comprar um haras. Nenhum deles tinha um emprego que pagasse muito bem, mas viviam dentro das suas possibi¬lidades e economizavam religiosamente. No ano passado se aposentaram e compraram o seu haras. Ele disse que a sua vida nunca tinha sido tão divertida, e os laços de afeição entre eles se fortalecem a cada dia.
Contraste essa com outra conversa que tive recentemente. Foi com a esposa de outro homem. Eles estavam casados por quase vinte anos. Pela forma como ela falava, era óbvio que o seu casamento tinha uma deficiência na parte da paixão. A rotina diária da vida acabou danificando o seu relacionamento. Eles viviam acima das suas possibilidades e o dinheiro sempre acabava antes do próximo pagamento. Possuíam muitas coisas, mas eram infelizes. Nunca partilharam um sonho em comum e agora nem sequer tinham a certeza de que desejavam um futuro juntos. Não tinham nenhum objetivo em comum. Não tinham sonhos em comum. Talvez nem mesmo um futuro em comum.
Algumas vezes a única coisa que nos faz sobreviver ao hoje é a esperança contida no amanhã. Quando os nossos amanhãs parecem conter menos esperança, os problemas de hoje consomem e destroem uma pessoa e um relacionamento. Alguma vez você e o seu marido já passaram algum tempo falando do futuro? Vocês têm objetivos em comum que estão tentando alcançar juntos? Você faz alguma idéia de quais sonhos podem estar escondidos no coração do seu marido? E ele, faz alguma idéia sobre quais são os seus sonhos? Minha sogra e eu estávamos falando esta manhã sobre como é sur¬preendente que em dez anos Deus não apenas mudou completamente o meu casamento, mas também fez com que Art e eu estivéssemos agora escrevendo e dando palestras para ajudar outros casais. Se Deus pôde fazer isso por nós, Ele pode fazer isso por você. Art diz:
Todos os maridos têm sonhos, quer eles sejam centrados na carreira, quer na família. Se uma esposa consegue fazer com que o seu marido partilhe esses sonhos, e o ajuda a realizá-los, isso o ajuda a desenvolver uma paixão para ajudá-la a realizar os sonhos dela. Os casais devem compartilhar os seus sonhos, principalmente aqueles que envolvam objetivos em comum e aspirações para um futuro juntos.
Outro dia escrevi um devocional onde comentava o que o fertilizante faz por uma planta, comparando-o com o que a atitu¬de de buscar os propósitos de Deus faz por uma vida. Sonhar com o plano e o propósito de Deus para a sua vida e o seu casamento só trará crescimento. Quando uma esposa evoca esse potencial de crescimento, com certeza acontecerão coisas maravilhosas.
Sempre que você aborda alguém sob a perspectiva da pró¬pria pessoa e procura conversar sobre as suas paixões e os seus sonhos, as pessoas se iluminam. O que aconteceria se você per¬guntasse ao seu marido quais são os seus sonhos e o que você pode fazer para ajudá-lo a realizá-los? Se você for fiel ao seu compromisso com ele, verá um homem mudado, que se mostrará repentinamente apaixonado por sua companheira.
Não posso dizer que tenha feito isso com perfeição. No começo fiz um péssimo trabalho até mesmo para descobrir quais eram os sonhos de Art. Foi um processo, mas valeu a pena. Há algo mágico em sonhar juntos. Há algo de apaixonado em trabalhar juntos para libertar aqueles sonhos e torná-los realidade. Gosto da maneira como Robert Lewis e William Hendricks explicam este fato:
Uma esposa sábia... é paciente com o seu marido durante as conversas sobre sonhos. Ela compreende que depois de três ou quatro semanas de problemas no trabalho, é natural que ele co¬mece a sonhar com a possibilidade de ser um alpinista profissio¬nal ou trabalhar no circo, ou tenha qualquer outra idéia louca. Ela também percebe que sonhar é a maneira que ele tem de fazer as suas avaliações. Com freqüência, o que ele está realmente per¬guntando é: O que eu estou fazendo é valioso? Será que eu sou bom? Será que a minha vida tem valor? Há alguma outra coisa que eu poderia fazer? O que você pensa a meu respeito? (P.S.: Sinto-me inseguro!) Perguntas como estas são a razão pela qual você, como esposa, precisa estar presente, compartilhando os so¬nhos dele - Robert Lewis e William Hendricks1
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Converse com o seu marido esta semana sobre sonhos. Tome nota de coisas que você poderia fazer para ajudá-lo.
PENSAMENTO PARA o DIA - Uma esposa sábia... é pa¬ciente com o seu marido durante as conversas sobre sonhos... Com freqüência, o que ele está realmente perguntando é: O que eu estou fazendo é valioso? Será que eu sou bom? Será que a minha vida tem valor? Há alguma outra coisa que eu poderia fazer? O que você pensa a meu respeito?
Robert Lewis e William Hendricks2


CAPÍTULO 16
DESCOBRINDO O QUE INTERESSA A ELE SEM CENSURÁ-LO

Há alguns anos eu estava ouvindo uma apresentação de Zig Zigler quando ele nos pediu para participar de um jogo que eu agora quero jogar com você. Você é uma daquelas milhões de pessoas que religiosamente coloca um relógio no pulso todos os dias? Se não for, seja paciente comigo. Se for, não olhe para o seu relógio! Nem sequer uma espiadinha. Sem olhar, diga-me que tipo de núme¬ros ele tem... números romanos, números comuns ou ordinais, pon¬tos, traços, nada? O que marca as 12 horas, as 3 horas, as 6 horas e as 9 horas? Agora verifique o seu relógio. Examine-o com atenção. Você está surpreso? Quantas respostas você acertou? Agora que você aca¬bou de examinar o seu relógio, e sem olhar para ele de novo, diga que horas são.
Pense em quantas vezes por dia você olha para o seu relógio, e mesmo assim muitos de nós não recordamos o mais simples dos de¬talhes dele. Muitos dos nossos casamentos são assim também. A cha¬ma extraordinária entre os recém casados parece reduzir-se a uma pequena centelha e maridos e mulheres cocam as cabeças pergun¬tando-se o que deu errado.
Quando estamos namorando, uma coisa que nos faz tão estimu-lantes um ao outro são as novas descobertas mútuas. Passamos al¬gum tempo descobrindo características na pessoa amada. Pesquisamos tudo a respeito da outra pessoa: a infância, a época do colegi¬al, as experiências da universidade, a vida familiar, tradições nos feriados e aspirações para o futuro. Dedicamos algum tempo para compartilhar detalhes de nossas experiên¬cias, dos nossos pensamentos, das nossas esperanças e até mesmo dos nossos medos. Enquanto ouvimos, tomamos notas mentalmente e estudamos o outro pro¬curando maneiras de construir novas experiências que se tornem "nossas" memórias compartilhadas. Toda a novidade é divertida e serve para acender as chamas do romance. Depois você se casa e tem um par de filhos, de repente todas as conversas se tornam repetições de coisas já ditas antes. Já não há tempo para revi¬sões profundas e novas descobertas; há fraldas para trocar, contas para pagar e coisas para comprar.
Então passamos para o modo de sobrevivência e paramos de descobrir as coisas em conjunto. Pense novamente em nosso jogo do relógio. Eu me pergunto quantas coisas há a respeito dos nossos maridos de que nem fazemos idéia? Olho para ele todos os dias, durmo com ele à noite, converso com ele, beijo-o e até faço bebês com ele, mas ainda assim há muita coisa que não sei. E infelizmente, muito do que sei e amo se perdeu no vai-e-vem da vida. É útil voltar a pensar naqueles dias de namoro e ressuscitar o desejo de descobrir quais são as prioridades dele.
Aqui estão algumas sugestões de perguntas para ajudar-lhe a começar:
• Qual é a sua cor favorita?
• Como seria o seu Natal ideal?
• Quando pareço atraente para você?
• Há alguma coisa que você queira dizer-me, mas não o faz por medo de me ofender? Eu lhe dou esta chance e prometo não ficar ofendida com sua resposta.
• O que é um presente ideal para você?
• Se você pudesse começar tudo de novo depois do colegial, o que faria de outra maneira?
• Se você pudesse dar às nossas crianças apenas três conselhos, quais seriam, e por quê?
• Se você pudesse ser conhecido como um entendido em algu¬ma coisa, em que seria, e por quê?
• Qual é o seu jogo favorito?
• O que faz você se sentir confortável e relaxar? Qual é o seu versículo bíblico favorito?
• Defina romance.
• Em sua opinião, qual é a coisa mais romântica que já fizemos?
• Como posso ser uma melhor amiga para você?
• O que você sempre quis fazer, mas nunca pôde por causa das limitações financeiras?
Este é apenas um começo. Não se trata de uma lista para que vocês se sentem e a repassem. Essas perguntas são simples começos de conversas para conseguir um fluxo criativo no seu casamen¬to. Se você pretende ter uma conexão com o seu marido, precisa entrar no mundo dele e descobrir o que ele pensa e com que sonha. Esteja determinada a estudar o seu companheiro durante toda a vida. Quanto mais você descobrir sobre o que interessa a ele, menos você se desinteressará dele, e penso que somos todos a favor disso. En¬tão, como aquele velho comercial americano dos relógios Timex, nossos relacionamentos serão capazes de "continuar funcionando com carinho!"
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO- Comece um diário do tipo "Meu casamento é incrível!" Pode ser um pequeno ca-derno espiral ou um diário elegantemente adornado. Aprenda duas coisas novas sobre o seu marido hoje, e registre-as no seu diário. Adote o costume de registrar versículos bíblicos e pensamentos que encontrar sobre casamentos bem-sucedidos; aqueles que considerar inspiradores. Registre lições que você ouve ou vivência em relação a casamentos. Louve a Deus por tudo o que Ele lhe ensina sobre amar o seu marido e doar-se a outra pessoa.
PENSAMENTO PARA o DIA - Se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.
Filipenses 4.8


CAPITULO 17
ENTENDENDO OS SEUS COMPARTIMENTOS MENTAIS

Isso não irá parecer uma novidade, mas vale a pena discutir... os homens e as mulheres não pensam da mesma maneira. Quando perguntei a Sherry, que trabalha em nosso escritório, qual seria em sua opinião o benefício que as mulheres teriam por entender os seus maridos, ela foi rápida em responder: "Uma coisa que apren¬di sobre os homens, é que eles não gostam de fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo. As mulheres gostam de tarefas múltiplas, os ho¬mens não". Bem observado. Os homens gostam de concentrar-se em uma coisa de cada vez. As mulheres podem fazer muitas coisas ao mesmo tempo e realmente gostam de agir assim. Eu posso me pente¬ar, falar ao telefone, corrigir as crianças e ouvir o rádio, tudo isso enquanto dirijo... e eles dizem que as mulheres não sabem dirigir!
O meu marido, por outro lado, gosta de assistir o jogo de fute-bol, ou examinar a conta bancária no computador, ou falar comigo, ou falar ao telefone — uma coisa por vez. Peça que ele faça todas essas coisas ao mesmo tempo e muitas passarão despercebidas en¬quanto ele enfoca apenas uma delas. Em conversas com o meu mari¬do, se tento falar mais de um assunto ao mesmo tempo, ele fica igual¬mente confuso. Ele tenta manter o foco em um aspecto da nossa conversa e concluir aquele assunto antes de passar para o seguinte. Enquanto isso, eu estou em todos os lugares e fico frustrada quando vejo a expressão atordoada nos olhos dele, que me diz que parece nem estar me ouvindo mais.
Antes que eu entendesse que o cérebro do meu marido é dividido em compartimentos, nós tínhamos muitas conversas mais ou menos assim:
Lysa: oi, querido, como foi o seu dia?

Art: Foi bom.

Lysa; O meu, também. Levei Hope e Ashley para fazer o exame anual hoje. (Querendo dizer que levei as meninas ao medico para o exame anual de saúde.)

Art: (Silenciosamente tentando entender o que eu havia dito; provavelmente pensando que o sistema de abastecimento de água de nossa casa precisava de conserto, e ao mesmo tempo não entendendo o que nossas filhas teriam a ver com tal situação.)

Lysa: (Sentindo-me um pouco frustrada com o silencio dele, que eu interpretava com uma falta de carinho.) E está tudo bem... (pensando: não parece que você esteja se importando.)
Art: (ainda tentando entender a relação entre “exames” e “sistema de abastecimento de água”)

Lysa: De qualquer forma (nitidamente aborrecida), a caminho do consultório eu estava dirigindo pela rodovia Providence, e reparei que todas as arvores tinham uma fita preta a sua volta. Parece ser algum tratamento para controle de alguma praga. Você acha que as nossas arvores podem ser atingidas por essa praga? Porque, se for o caso, eu gostaria de experimentar esse tipo de fita, que provavelmente será mais seguro do que utilizar produtos químicos que podem fazer mal às crianças. Sabe, não acredito que nosso governo esteja fazendo o suficiente para proteger as crianças destes produtos químicos e inseticidas nocivos à saúde. Você acha que posso gastar algum dinheiro para comprar esse produto? Deste modo, vou precisar de mais dinheiro para as compras deste mês.

Art: (Imaginando como os exames, as filhas, as arvores e a política do governo sobre os inseticidas poderiam ter acabado com um pedido de dinheiro. Ele decide agir cuidadosamente.) Eu não sei, querida. Tenho que pensar um pouco sobre isso.

Lysa: (Abismada com a sua falta de preocupação com a saúde da família, eleva o tom de voz.) Você tem que pensar em quê? Estamos falando da vida das nossas filhas e tudo o que você tem a dizer é que precisa pensar um pouco?!

Art: (Confuso, ainda não compreendendo a relação com a saúde das meninas, mas entendendo perfeitamente o pedido de dinheiro.) Por que você é tão emotiva, e por que está sempre me amolando para que eu lhe dê mais dinheiro? (Ele percebe que não deveria ter usado a palavra “amolando”, lembrando-se de que da ultima vez que a usou eu joguei alguma coisa nele. Ele lamenta a sua escolha de palavras, e por segurança se abaixa!)

Lysa: Amolando? Você chama o cuidado com as crianças de “amolar”? Você é tão insensível... você é impossível. Você não vale que eu gaste o meu fôlego falando com você! (Saindo e batendo a porta.)

Art: Mulheres! Que há com elas? E o que ela queria dizer que estava errado com o sistema de água de nossa casa?

Como conseguimos complicar a mais simples das conversas. Podemos fazer com que os menores problemas se agigantem. Um simples esclarecimento e o entendimento de que as nossas mentes processam as informações de forma diferente poderia ter evitado muitas discussões no meu casamento.
Nos últimos anos, muitos livros foram escritos para ajudar a resolver os problemas e construir “pontes” entre os homens e as mulheres. Um deles, escrito por Bill e Pam Farrel, tem o titulo Men are Like Waffles, Women are Like Spaghetti (que traduzido para o português poderia ser: Os Homens são como Waffles, as Mulheres como Espaguete). Na hilariante explicação do titulo do livro, os homens e as mulheres são descritos nos seguintes termos:
Os homens são como Waffles: “Não queremos dizer que os homens pronunciem palavras vazias, ou “enrolem” na hora de tomar decisões, e que sejam geralmente instáveis. O que queremos dizer é que os homens processam a vida em compartilhamentos. Se você olhar para um waffle, verá um conjunto de caixinhas separadas por paredes. As caixinhas são separadas umas das outras e formam espaços convenientes. É assim que um homem típico processa a vida. O nosso pensamento está dividido em caixas onde podemos armazenar cada assunto, mas somente um assunto por caixa”. Bill e Pam prosseguem dizendo que os homens organizam e processam cada aspecto de sua vida em caixinhas separadas, e que gostam de dedicar algum tempo ás caixinhas onde provavelmente poderão ter maior sucesso. Eles têm caixinhas onde guardam pensamentos e recordações agradáveis, e outras, que estão vazias e que não contêm nem pensamentos nem palavras – daí a capacidade que têm de, às vezes, se “desligar”.
Mas as mulheres são como espaguetes: “Em contraste com a característica de waffle dos homens, as mulheres processam a vida como um prato de macarronada. Se você olhar um prato de espaguete, perceberá que há muitos fios individuais de macarrão que tocam uns nos outros. Se você tentar acompanhar um fio no prato, interceptará muitos outros fios e até poderá passar para outro fio sem querer. É assim que as mulheres vêem a vida. Cada pensamento e cada assunto está, de algum modo, ligado aos outros pensamentos e assuntos. A vida é, para as mulheres, mais parecida com um processo. A mente dos homens não funciona assim”.
Que descrição maravilhosa. Se percebermos a característica compartimentada dos homens quando processam as informações e con-versam conosco, poderemos entender melhor como ajudá-los a não se "desligarem". A nova regra que tento recordar quando converso com o meu marido é "uma coisa de cada vez, e esclareça, esclareça, esclareça!"
CONSTRUINDO O SEU RELACIONAMENTO - Comente com o seu marido a idéia do waffle e do espaguete. Elaborem estratégias para que vocês consigam se comunicar de uma maneira mais eficaz. Talvez você até queira ler o livro de Bill e Pam Farrel para um estudo mais profundo dessa idéia.
PENSAMENTO PARA o DIA - Os homens organizam e processam cada aspecto de sua vida em caixinhas separadas, e gostam de dedicar algum tempo às caixinhas onde provavelmente poderão ter maior sucesso.
Bill e Pam Farrel


CAPÍTULO 18
A CHAVE PARA TORNAR-SE AMIGA DE SEU MARIDO... SORRIA!

Art e eu gostamos de ensinar juntos em nossa igreja. Ele é o organizado, que cuida para que todos os "i" tenham o seu pingo e para que todos os "t" estejam cortados. Eu sou a divertida que cuida para que as aulas sejam agradáveis. Você nunca sabe o que pode acontecer quando estou ministrando.
Certa noite estávamos falando sobre os dons espirituais. Ele fa-laria durante vinte minutos e então eu falaria por vinte minutos; de¬pois trocaríamos outra vez. Eu estava começando uma das minhas sessões quando com o canto do olho vi que Art estava escrevendo um bilhete. Vi que o bilhete era para mim porque pude ver meu nome escrito no topo. Então espiei o fim do bilhete, onde estava escrito: "Eu te amo assim... Art".
Meu coração cresceu de alegria. Meu marido estava escre¬vendo um bilhete de amor para mim, bem no meio da aula! Dei uma aula super animada. Estava totalmente entusiasmada, com pensamentos do tipo: Ele me acha bonita! Ele está conquistado pela minha beleza! Ele me ama tanto! Sou a mulher mais sortuda do mundo!
Finalmente, não consegui agüentar mais. Eu tinha que ler o bi-lhete. Dei aos alunos a tarefa de escrever sobre um versículo longo, o que me deu tempo para pegar o bilhete e deliciar-me com ele.
"Querida Lysa, a sua narina esquerda está suja. Eu a limpo se você quiser. Eu te amo assim... Art".
A palavra "mortificada" nem sequer começa a descrever o que senti. Terminei minha sessão rapidamente, escondendo o meu nariz o mais que pude e pedi licença para ir ao banheiro. O que descobri no banheiro não era pouca coisa. "Uma coisa horrorosa" é a única maneira de descrever o que eu tinha em meu nariz. Se alguém pu¬desse morrer de vergonha, eu o teria feito.
Encabulada, voltei à aula. De repente, tive uma idéia hilariante. Voltei para o lado de Art, peguei o bilhete e escrevi no pé da página "VOCÊ TAMBÉM!"
Pobre Art, ele arregalou os olhos e mal conseguiu terminar a sua sessão com todos os seus esforços para limpar ou esconder seu na¬riz. Claro, não havia nada errado com o seu nariz, mas eu tinha que dividir com ele toda aquela emoção.
Naquela noite, no caminho para casa, ríamos histericamente so-bre tudo o que havia acontecido. Em algum ponto daqueles risos a idéia de que tínhamos nos tornado excelentes amigos me atingiu. Quem, exceto o seu melhor amigo, pode dizer: "Eu a limpo se você quiser. Eu te amo assim..."
De alguma maneira, ao longo de nossos altos e baixos des-cobrimos essa preciosa e rara face do nosso relacionamento — a capacidade de ser amigos e de rir um com o outro. Em Provérbios 17.22 está escrito: "O coração alegre ser¬ve de bom remédio". Como isso é verdadeiro!
"O humor pode ser desenvolvido, e deveria ser, porque é bom para a saúde". Os benefícios conhecidos do riso incluem:
• O riso estimula o sistema imunológico.
• O riso ativa várias partes do cérebro ao invés de ativar um componente de uma única área. Talvez essa seja a única razão pela qual as pessoas freqüentemente acham que uma boa dose de riso pode dar início a uma explosão de criatividade e de solu¬ção de problemas.
• É um bom exercício para a caixa cardiotoráxica. Aumenta a atividade do coração e estimula a circulação. Depois do riso, o sistema cardiovascular entra em um estado de relaxamento.
• Muda o limiar da dor. Foi demonstrado que cinco minutos de riso podem ocasionar até duas horas de alívio das dores.
• Reduz o estresse.
• Estabiliza o humor.
• Descansa o cérebro.
• Facilita a comunicação.1
Muitas vezes em meu casamento eu não reagi a algumas situa-ções com riso, mas sim com amargura e ressentimento. Reagir com ira nunca leva a nada positivo. Durante esses anos aprendi a impor¬tância de fazer escolhas que levem a bons resultados, ao invés de simplesmente reagir às circunstâncias. Aprender a rir com Art foi a chave que abriu a porta de nossa amizade.
Deixe-me aconselhá-la a aprender a rir com o seu marido. Da próxima vez que você sentir a tensão aumentando, tome a decisão consciente de dispersá-la com uma palavra gentil ou engraçada. Em Provérbios 12.25 está escrito: "A solicitude no coração do homem o abate, mas uma boa palavra o alegra".
Pense no líder de um time em um jogo. O que faz quando o time erra? Diz a seu time: "Está tudo bem pessoal, não tem problema. Esforcem-se, vamos ganhar de qualquer jeito!" Não seria ótimo ter essa atitude com os nossos maridos quando as situações de tensão aparecem? Decidir-se pela gentileza, pelo encorajamento ou mesmo demonstrar humor não é a reação mais fácil, mas é a melhor. Se consigo encontrar humor na sujeira do nariz, estou convencida de que é possível encontrar riso em qualquer situação.
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Pergunte ao seu ma¬rido se vocês dois conseguem falar sobre os seus momentos mais embaraçosos na vida. Se você quiser, partilhe com ele este momento que passei e vocês dois poderão rir juntos.
PENSAMENTO PARA o DIA - Tudo tem o seu tempo de-terminado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu... tempo de chorar e tempo de rir.
Eclesiastes 3.1,4


CAPITULO 19
DEUS NOS FEZ FISICAMENTE DIFERENTES

Oh! Como somos diferentes. Não conhecemos essas dife¬renças apenas a partir de nossas experiências diárias, mas as pesquisas provam que elas existem. Aqui estão alguns fatos descobertos através de estudos sobre as diferenças entre os ho¬mens e as mulheres:
• Antes do nascimento, já se observam diferenças entre os se¬xos. O Dr. Frank Duffy registrou a atividade cerebral em meni¬nos e meninas ainda no útero e descobriu que existem dois com¬primentos de onda diferentes.2
• Estudos médicos mostraram que durante a décima oitava e a vigésima sexta semana de gravidez ocorre algo no cérebro dos fetos masculinos que distingue os sexos para sempre. Hormônios relacionados com o sexo inundam o cérebro de um bebê do sexo masculino fazendo com que o lado direito regrida ligeiramente, destruindo algumas das fibras conectoras. Como resultado, na maioria dos casos, um meni¬no começa a vida com maior atividade do lado esquerdo do cérebro. (O lado esquerdo contém a maior parte dos centros mentais lógicos, analíticos, efetivos e agressivos). 3
• Desde o nascimento as meninas têm mais movimentos labiais que os meninos.4
• Na idade pré-escolar, quase cem por cento dos sons que as meninas produzem são palavras reconhecíveis. Para os meni¬nos, somente 68 por cento dos sons são reconhecíveis ao passo que os outros 32 por cento são sons de uma sílaba. 5
• Na idade adulta, está demonstrado que um homem normal fala cerca de 12.500 palavras por dia, ao passo que uma mulher normal fala 25.000!6
Deus nos fez diferente para que quando estivéssemos juntos, pudéssemos constituir um único ser, um belo ser, que glorificasse a Deus. Não se trata de estar juntos para ver qual é o certo e qual é o errado, e então separar o "errado". Não, trata-se de construir e inves¬tir nossas forças para ajudar o nosso marido a ser tudo o que Deus pretende que ele seja, e ele fará o mesmo por você. Quando isto acontece, forma-se uma bonita imagem de afirmação física, sexual, emocional e espiritual.
Em outros capítulos tratamos os aspectos sexual, emocio¬nal e espiritual da afirmação. Então quero lhe contar uma história de afirmação física que espero que lhe traga inspiração. É a história de Peter Foster, um pilo¬to da Força Aérea Real Britânica na Segunda Guerra Mundial. Durante uma batalha aérea, Foster foi vítima de um terrí¬vel incêndio. Ele sobreviveu, mas o seu rosto ficou irreconhecível pelas queimaduras. Foster passou muitos momentos de ansiedade no hospital, imaginando se a sua família — especialmente sua noiva — ainda o aceitariam. Sim, eles o aceitaram. A sua noiva lhe assegu¬rou que nada havia mudado, exceto alguns poucos milímetros de pele. Dois anos mais tarde eles se casaram. Foster disse sobre sua mulher: "Ela se tornou o meu espelho. Ela me deu uma nova ima¬gem de mim mesmo. Quando olho para ela, recebo um sorriso calo¬roso e cheio de amor que me diz que estou bem".7
Essa história está no livro devocional Night Light, do Dr. James c Shirley Dobson. Eles comentam essa história dizendo: "É assim que o casamento deve funcionar— deve haver uma admiração mú¬tua que compense um milhão de defeitos e que construa a auto-estima dos dois parceiros".8
Que grande exemplo de ultrapassar as diferenças e fazer a dife-rença na vida do outro. Deus nos fez diferentes — não para obstruir¬mos um ao outro, mas para nos ajudarmos mutuamente.
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Faça uma lista das qualidades do seu marido e escreva-lhe uma carta de agrade-cimento por tudo de bom que ele trouxe à sua vida.
PENSAMENTO PARA o DIA - A vossa palavra seja sem¬pre agradável.
Colossenses 4.6


CAPÍTULO 20
AMANDO OS PNEUZINHOS
Antes de mais nada, devo dizer a vocês que o meu marido é uma das pessoas mais em forma que já conheci. Se há al¬guém que vai lutar contra os pneuzinhos, esse alguém serei eu. Na verdade, não pneuzinhos, mas verdadeiros alforjes. Porém mesmo estando em forma Art quer e pede a minha afirmação em algumas áreas. O problema é que todos temos algo em nós mesmos de que não gostamos. Pontos onde a insegurança nos derruba. Abaixo do Senhor, o amor incondicional do nosso cônjuge pode e deve ser de grande conforto para nós.
Vemos que os nossos maridos se expõem como são, e que¬rem saber se os aceitamos. Os homens fingem muito bem em público. Parecem fortes, seguros e autoconfiantes. Eles devem ser os líderes, os protetores, os tomadores de decisão. Porém, em seu interior correm rios de dúvida e de incerteza. Eles preci¬sam da afirmação de suas esposas — para dizer-lhes que os amam sob quaisquer circunstâncias.
Um bom exemplo desse "amor incondicional" pode ser encon-trado na história de Dave Dravecky (um jogador profissional de bei-sebol) e sua mulher, Jan. Na obra When You Can't Come Back o casal descreve em forma de crônica os acontecimentos e as emoções da luta de Dave contra o câncer, do seu retorno surpreendente ao esporte e da devastadora amputação daquele braço arremessador que já havia ganhado tantos prêmios.
Desde que Dave era apenas um garoto, o seu mundo girava em torno do beisebol. Quando cresceu e descobriu que era um arremessador de talento, sua identidade se centrava naquele bra¬ço. Ele disse: "meu braço era para mim o que as mãos são para um pianista de concerto, o que as pernas são para uma bailarina, o que os pés são para um corredor de maratona... era o que me fazia valioso, o que me trazia a riqueza, ao menos aos olhos do mundo. De repente, meu braço já não estava mais lá. Quanto de mim se foi com ele? Quanto do que as pessoas pensavam de mim se foi com ele?"
Ele prosseguiu falando sobre Jan: "Como minha mulher se sen-tiria? O que ela pensaria de um homem que já não era capaz de amarrar seus próprios sapatos? Será que ela ainda me acharia atraente, ou sentiria repulsa ao ver-me nu, com o meu corpo mutilado? Quando saí do hospital e voltei para casa, percebi... que tudo o que Jan queria era ter o seu marido de volta".
Ele concluiu dizendo: "Por mais importante que tivesse sido na minha infância, por mais importante que tivesse sido para o meu sustento, o meu braço não significava nada para as pessoas mais importantes da minha vida. O que importava é que eu estivesse vivo e em casa".1
Lembre-se dos votos que muitos de nós repetimos ingenuamen¬te: "na alegria e na tristeza, na saúde e na doença". Amar incondicionalmente significa permitir que os nossos maridos saibam, por nos¬sos atos e palavras, que estaremos ao seu lado, não importando se tiverem muito dinheiro ou se forem um fracasso nos negócios. Esta-remos com eles quando forem fortes e capazes, e ainda estaremos com eles se ficarem doentes ou mutilados. Eles têm uma parceira por toda a vida, quer estejam saudáveis e em forma, quer estejam enrugados, grisalhos ou curvados. Exatamente como aquele antigo comercial de Band-aid, nossos maridos precisam saber que somos apaixonadas por eles.
Para um depoimento mais pessoal, aqui vai uma nota de Art:
Sempre me esforcei para economizar e investir com sabe¬doria o dinheiro da nossa família. É importante para mim ter como providenciar o sustento mensal e planejar o nosso futuro econômico. Talvez parte de minha importância estivesse envol¬ta nas minhas capacidades financeiras. Eu sabia que tudo vinha de Deus, e era cuidadoso não apenas em economizar, mas tam¬bém ao entregar o dízimo. Mas um dia, meu plano econômico tão cuidadosamente construído veio abaixo quando um dos meus investimentos apresentou um mau resultado. Devo dizer que isso abalou o meu íntimo.
Eu não conseguia entender por que Deus nos permitira per¬der tanto, quando estávamos tentando ser fiéis mordomos com aquilo que Ele nos havia confiado. Fiquei muito mal, meu espírito tinha sido esmagado e a minha confiança baixou a um nível nunca antes atingido. Pensei que Lysa estaria tão arrasada quan¬to eu, o que fazia com que eu me sentisse ainda pior. Ao invés disso, quando lhe falei da gravidade da situação, ela me envol¬veu em seus braços e disse-me que tudo terminaria bem. É sur¬preendente como as suas palavras de conforto se tornaram para mim uma fonte de energia, e aliviaram toda a mágoa e angústia que eu estava sentindo.
Sei que um marido que prove segurança é uma das maiores necessidades de uma mulher. O amor incondicional de Lysa em uma área em que ela é mais vulnerável é uma excepcional forma de alívio para mim. Se ela tivesse reagido de acordo com as minhas expectativas, eu teria continuado a preocupar-me com o problema e sua solução. Ao invés disso, ela permitiu que eu me aliviasse e que me concentrasse na direção de Deus e em sua promessa de cuidar de nós. Depois ela me disse algo que jamais esquecerei. Ela disse: "Art, eu te amo pelo que você é, não pelo que você tem". Não consigo expressar o que o amor incondicio¬nal de Lysa, àquela altura, significava para mim.
Esposas, estejam certas de que houve muitas vezes em que eu poderia ter estragado tudo, mas felizmente escolhi a reação ade¬quada naquela ocasião. Em Habacuque 3.17-19 está escrito: "Por¬quanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos cur¬rais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação. Jeová, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas". Se você me permitir, usarei minha inspiração e escreverei Habacuque 3 sobre o casamento:
Embora ele tenha engordado um pouco e perdido um pouco de cabelo, embora o castelo com que sempre sonhei seja hoje apenas um rancho de três quartos, embora eu não tenha criados e haja apenas uma mini-van bastante usada na garagem, ainda assim eu me alegrarei no marido com o que o Senhor me abençoou, exultarei em ser a esposa deste homem. O Senhor soberano é a minha força; ele me ajuda a ter um bom comportamento durante o período pré-menstrual, Ele me er¬gue acima das pilhas de roupa para lavar e me ajuda a ver a importân¬cia eterna de ser a amante, a ajudante e a amiga do meu marido.
CONSTRUINDO O SEU RELACIONAMENTO - Escreva as palavras "Eu amo você pelo que você é — para todo o sempre”, em pequenos pedaços de papel e esconda-os em lugares em que o seu marido certamente os encontrará. Procure oportunidades para assegurá-lo do seu amor diariamente.
PENSAMENTO PARA o DIA -... com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor.
Efésios 4.2


CAPITULO 21
TORNANDO-SE A BELEZA DELE

Presilhas para rabo-de-cavalo. Tiaras e fitas cor de rosa. Toa¬lhas de renda. Aromatizantes de ambiente. Banhos de espu¬ma Creme para a noite, creme para o dia, creme hidratante, másca¬ra. Violeta, amor-perfeito, narciso e margarida. Xícaras de chá e cu¬bos de açúcar. Chocolate, chocolate e mais chocolate com cobertura de chocolate. Risinhos e conversa de meninas.
Acho que consegui assustar os maridos em relação ao conteúdo deste capítulo, se por acaso eles estiverem folheando o livro para saber do que se trata. Este é o nosso capítulo secreto. A informação aqui contida é somente para olhos femininos. A informação aqui contida pode dar a você e às suas amigas assunto para vários dias! Estou simplesmente relatando os fatos que consegui descobrir. En¬tão, sem demorar mais... aqui vai.
Como você se torna a beleza que o seu marido quer conquistar para sempre? Como consegue que ele seja o homem... o homem ro-mântico dos seus sonhos? Como você consegue que ele pense em você e deseje fazer coisas românticas para você? Como você conse¬gue que seu guerreiro lute por você, por você ser bonita, e que não consiga imaginar sequer um dia sem a sua presença? Como você pode conseguir que ele conserte o vaso sanitário que está vazando e leve o lixo para fora, sem precisar pedir? Como você consegue fazer com que ele se engaje e ajude com as crianças e com a casa? Como você consegue que ele preste mais atenção em você do que em seu trabalho, nos esportes ou nas caçadas?
Você deve seduzi-lo.
Oh meu Deus! (Esta é uma expressão do sul que roubei de uma querida amiga minha chamada Dolly, e é a única adequada depois de uma frase como esta!)
Já disse. Sim, minhas irmãs cristãs, você deve seduzir o seu marido!
John Eldridge diz em seu livro Wild at Heart: "Estou dizendo a vocês que algumas igrejas verdadeiramente mutilaram as mulheres ao dizerem que a beleza delas é vã, e que atingem o máximo de sua feminilidade quando 'servem aos outros'. Uma mulher atinge o melhor de sua feminilidade quando se comporta como uma mulher". Ele prossegue dizendo que se uma mulher deseja que seu marido faça algo, ela tem muitas opções. "Ela pode atormentá-lo: Tudo o que faço é trabalhar, trabalhar, trabalhar. Por que você não se le¬vanta e não se comporta como um homem? Ela pode choramingar e magoá-lo em seu íntimo: Pensei que você fosse um homem de verda¬de; acho que estava enganada. Ou pode usar tudo o que é como mulher para fazer com que ele use tudo o que é como homem. Ela pode provocar, inspirar, energizar... seduzir o homem. Pergunte ao seu marido qual atitude ele preferiria".1
Amo esta frase: "Usar tudo o que é como mulher para fazer com que ele use tudo o que é como homem". Isso é o quer dizer tornar-se a beleza dele. Vejo que você está pensando: Já falamos desse assun¬to de sexo — por que estamos revendo esse tema? Esta sedução é mais do que o pensamento sexual. Trata-se de tornar-se a beleza que conduz o coração do seu marido em direção à unidade que Deus pretende que vocês dois formem. O coração de um homem é atraído pela beleza de uma mulher. O lado mais profundo de um homem se expõe subitamente quando uma mulher faz com que ele se sinta de¬sejado e atraente.
É difícil para uma mulher sentir desejo de atrair o seu marido se ela mesma não se sente atraente. Patrick Morley em seu livro What Husbands Wish Their Wives Knew About Men (que em português poderia ser "O que os Maridos Gostariam que as suas Esposas Sou-bessem a Respeito dos Homens) diz: "O marido típico quer que sua mulher pareça bonita, mas ele não é obcecado. Entretanto, considera a aparência de sua mulher um reflexo em seu julgamento. O homem quer sentir orgulho de sua esposa. O que o homem espera é que sua mulher tenha uma aparência digna, que seja coerente com a imagem dele mesmo". Ele prossegue dizendo: "Se alguma mulher que esteja lendo este livro puder dizer: 'Se o meu marido morrer, depois do luto vou perder quinze quilos, mudar o meu penteado e comprar rou¬pas novas', ela pode ter certeza disso: o seu marido secretamente deseja que ela vá em frente e faça isso agora".2
O espírito interior de uma mulher também precisa ser atraente para o seu marido. Em l Pedro 3.3-6 está es¬crito que para que uma mulher seja realmente bonita ela deve ter o "incorruptível trajo de um espírito man¬so e quieto". Isso não significa que ela esteja quieta durante todo o tempo, mas que mostre um espírito amá¬vel que o seu marido deseja ter por perto. É a vontade de Deus que uma mulher - alguém tão completamente feminina e impres¬sionante para o homem - o ajude a baixar a guarda e faça com que ele se sinta à vontade para deixar a sua masculinidade aflorar. Ela é completamente feminina e ele é completamente masculino, e os dois formam "um" lindo ser.
A beleza precisa do seu homem. O homem precisa da sua bele¬za. Deus designou que essa unidade nos deleitasse, nos energizasse, e satisfizesse nossos anseios de sermos desejados. Em l Coríntios 7.3-5 lemos: "O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma ma¬neira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos defraudeis um ao outro, senão por consenti¬mento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, de¬pois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vos¬sa incontinência".
Você quer ser a beleza no romance que Deus está escrevendo para você e seu marido? Eu quero. Então vamos praticar e ser a bele¬za, por dentro e por fora, aquela que não tem medo de seduzir, e vamos nos regozijar!
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Acho que vou deixar você ser criativa e escrever a sua tarefa para hoje.
PENSAMENTO PARA o DIA - Regozije-se! Não é neces¬sário dizer mais nada.


CAPÍTULO 22
NA ALEGRIA E NA TRISTEZA

“Que bom que agüentei”, disse-me a senhora engraçada quan¬do me contou como estava apaixonada por seu marido. Ela continuou dizendo: "Há dez anos eu estava pronta para desistir. Ele não tinha nenhuma consideração por mim e tinha me feito sofrer muito. Não se passava sequer um dia sem que ele fizesse algo para me magoar. Algumas vezes eram coisas pequenas e em outros dias eram coisas realmente dolorosas, mas somando tudo eu era muito infeliz, sentia-me miserável. Eu pensava: Não foi esse o acordo - as coisas não deveriam ser assim! Eu sempre tinha sonhado com um casamento de contos de fadas, mas não do tipo em que o príncipe se transforma em um sapo. Em meus livros de contos de fadas aconte¬cia sempre o contrário!"
Tive que perguntar a ela como as coisas tinham mudado tão radicalmente, pois ela agora anseia por contar que é louca por seu marido. "Não foi fácil", respondeu depressa, mas orei para que Deus honrasse a minha decisão de honrar o meu compromisso. Quanto mais eu me concentrava em Deus, e não em meu casamento, mais Deus completava os espaços vazios. Deus me deu forças e me aju¬dou. Ele me deu coragem quando me sentia desencorajada. Ele me deu forças quando me sentia fraca e cansada. Ele me ajudou a amar meu marido mesmo quando eu não queria fazê-lo. Com o passar do tempo, notei que um milagre estava acontecendo na vida do meu marido. Deus o modificou, o suavizou, e revelou-lhe a manei¬ra como deveria me tratar. Sinceramente, não consigo imaginar como seria a minha vida se tivesse desistido. Finalmente encontrei aquele conto de fadas.
Suas palavras me incentivaram porque, para falar a verdade, hou-ve vezes em que eu também quis desistir do meu casamento. Mas eu também vim a perceber que um bom casamento é um processo. Al¬gumas vezes pode demorar algum tempo, mas tenho certeza de que se vocês seguirem fielmente a definição de Deus de amar um ao outro, Deus honrará o seu casamento.
Em seu livro How to Act Right When Your Spouse Acts Wrong (que em português poderia ser intitulado: "Como Agir Corretamente Quando o Nosso Cônjuge Age Mal”), Leslie Vernick escreve:
Quando concentramos nosso coração em Deus, aprendemos a reconhecer e aceitar que a sua soberania controla cada circunstância em nossa vida — inclusive o nosso casamento. Deus nunca nos pro¬mete que não teremos problemas nesta vida; na verda¬de, Ele nos diz exatamente o contrário (Jo 16.33). Ele nunca nos diz que nada irá nos magoar ou que deverí¬amos procurar a melhor saída para as nossas dificul¬dades. O que Deus promete é: em primeiro lugar, que Ele tomará todas as dificuldades que encontrarmos, inclusive as di¬ficuldades em nossos casamentos, e as transformará em algo que nos ajudará a ser mais parecidos com Jesus, o que Ele nos diz que é muito, muito bom (Rm 8.38,39). Em segundo lugar, Ele promete que nada que nos acontecer será capaz de separar-nos do seu amor. Nada! Ele está no comando e sempre sabe de tudo. O Senhor sempre contempla o panorama maior.1
O panorama maior é exatamente o que Deus vê. Deus vê todas as coisas. Ele vê a nossa vida do princípio ao fim e tudo o que acon¬tece entre estes dois eventos. Deus pode fazer coisas boas a partir daquilo que nos parece mau, mas nós temos que ter paciência sufici¬ente para perceber que Ele sempre faz a sua obra em seu próprio ritmo, de acordo com o seu cronograma. Vivemos em uma "socieda¬de de microondas", e queremos que as coisas sejam rapidamente consertadas, na velocidade do serviço "FedEx" ou "Sedex".
Queremos as soluções dos nossos problemas agora. Por que você acha que as capas das revistas femininas sempre contêm respostas rápidas para os problemas que a maioria das mulheres enfrenta? "Caçadores de Dietas: Perca Cinco Quilos em Dez Dias", ou "Reparadores de Relacionamentos: Três Passos Fáceis para a Reconci-liação", ou "Organize a sua Casa em Uma Hora ou Até Menos". Você não encontrará aqui soluções rápidas nem fáceis, porque não somos capazes de encontrá-las na Palavra de Deus.
Em Efésios 4.2 Paulo nos ensina: "andeis... com toda a humil-dade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos ou¬tros em amor". Pedro também nos incentiva ao profundo amor mú¬tuo: "tende ardente caridade [amor] uns para com os outros, porque a caridade [o amor] cobrirá a multidão de pecados" (l Pé 4.8).
A única maneira de conseguir ser paciente, amar alguém que é impossível de se amar, e ser fiel ao compromisso assumido é ter um coração que se rende e se enche do amor de Deus.
Fácil? De modo algum. Honrar a Deus? Ah, sim. Consertar o casamento? Com certeza. Com Deus tudo é possível.
Em Mateus 5.6, como parte de seu Sermão no Monte, Jesus nos ensinou: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, por¬que eles serão fartos". Se tivermos fome e sede de um marido que sempre aja corretamente, então teremos fome por toda a vida. Se, por outro lado, temos fome e sede de Deus, então nos fartaremos até transbordar. O texto em Provérbios 21.21 nos encoraja: "O que se¬gue a justiça e a bondade achará a vida, a justiça e a honra".
A senhora de quem eu falava no começo do capítulo tinha aca-bado de comemorar seu vigésimo aniversário de casamento. Ela me disse: "Se eu tivesse desistido há dez anos, uma outra mulher seria a sua esposa hoje, e se beneficiaria das minhas lágrimas e orações durante todos aqueles anos. E eu teria desperdiçado um excelente casamento".

CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Escreva um acordo para que você e seu marido assinem, onde conste que "o divórcio nunca é uma opção”. Elimine essa palavra do seu vocabulário.

PENSAMENTO PARA o DIA - O Senhor, Deus de Israel, diz que aborrece o repúdio [ou, como em outra tradução] O Senhor Todo-Poderoso de Israel diz: Eu odeio o divórcio.
Malaquias 2.16



CAPITULO 23
MESMO SE...

Enquanto escrevo estas palavras, os Estados Unidos estão em choque pelos horríveis acontecimentos de 11 de setembro de 2001. Muita coisa aconteceu naquele dia trágico. Muitas recordações estão gravadas nos corações dos americanos. Cenas de explosões e devastação. Cenas de pessoas cobertas de poeira correndo para salvar suas vidas. Cenas de valentes bombeiros e policiais arriscando suas vidas para salvar outras. Cenas de pessoas desesperadas percorrendo as ruas de Nova York à procura dos seus entes queridos. Cenas de filas e filas de fotografias de desaparecidos com números de telefone e ape¬los para que alguém, que tivesse alguma informação, telefonasse.
Sentei-me na sala naquele dia terrível e nos dias seguintes pro-fundamente triste pelo país e especialmente pelos milhares que ha¬viam perdido pessoas amadas. Quando as histórias pessoais come¬çaram a aparecer nos sentimos ainda mais profundamente emocio¬nados. Jamais esquecerei o Presidente Bush honrando Lisa Beamer, a esposa de Todd Beamer, um passageiro morto. Ele e outros passa¬geiros enfrentaram os seqüestradores e deram suas vidas para evitar que o avião se chocasse contra outro edifício. Quando vi Lisa sendo entrevistada, era óbvio que ela estava triste, mas ela tinha uma pers¬pectiva eterna de que veria o seu marido outra vez no céu. Assim ela honrou o seu falecido marido pela maneira como falou do maravi¬lhoso caráter que ele demonstrou até o último dia de sua vida. O que me emocionou na história de Lisa foi sua confiante determinação de que essa era a perfeita vontade de Deus e que, continuando a viver a sua vida, estaria honrando o seu marido.
Esse foi o sentimento de muitas famílias de vítimas: apesar de seus corações partidos, a vida teria que continuar. E assim aconte¬ceu. A vida continuou, mas nenhum de nós é a mesma pessoa que era antes de 11 de setembro. Pelo menos, eu espero que não. Espero que todas as nossas perspectivas tenham mudado para melhor.
Ao ficar sabendo da tragédia, você sentiu o desejo de imediata-mente reunir toda a sua família em casa e abraçá-la dizendo o quanto a ama? Eu quis fazer isso. Alguma coisa em mim me disse que a vida é curta e frágil. Acho que muitas pessoas sentiram o mesmo. Há re¬gistros de um número recorde de pessoas que estavam em processo de divórcio e notificaram os tribunais de que dariam mais uma chance aos seus casamentos. Muitas pessoas deram um passo atrás em suas vidas atribuladas e passaram a pensar sobre o que realmente importa.
O que realmente importa em seu casamento? Penso em algu¬mas pequenas coisas que me frustravam, e me pergunto: será que são realmente importantes? Será que realmente importa que ele algumas vezes deixe o assento do vaso sanitário levantado? Será que realmente importa que ele deixe o seu prato sujo ao lado da pia, ao invés de enxaguá-lo e colocá-lo na máquina de lavar lou¬ças? Será que realmente importa que tenhamos opiniões diferentes sobre esse ou aquele assunto? As pequenas coisas que às vezes deixamos destruir nosso casamento desapareceriam rapidamente se tivéssemos em mente que estamos abençoados hoje, mas não temos garantido o amanhã.
Uma das pesquisas que recebi dos homens realmente se destaca. Um deles disse: "Eu queria que minha esposa soubesse que todos cometem erros e merecem uma segunda chance".
Outro disse: "Queria que minha mulher entendesse como sou frágil como homem, mesmo que nunca demonstre isto. Quando ela reage e me dá apoio, posso fazer qualquer coisa através de Cristo. Mas quando ela se mostra insensível, sinto-me arrasado. Não o de¬monstro, e normalmente a minha reação é "durona"; mas estou cho¬rando por dentro. Ela não faz idéia de como a sua confiança e apoio são importantes para mim" (Tim, Tupelo). Este homem está supli¬cando para que a sua esposa seja a sua companheira, o seu apoio, a sua amiga, aquela que acredita nele nos bons e nos maus momentos.
O seu marido sabe que se você pudesse fazer tudo de novo, você ainda o escolheria? Mesmo se ele perdesse todo o seu dinheiro? Mes¬mo se ficasse paralítico amanhã? Mesmo se tomasse uma decisão errada, você ainda o escolheria? Ser capaz de responder sim a essas perguntas hoje abençoará o seu marido, mas a abençoará ainda mais. Isto é viver de fato sem arrependimentos. Se estes assuntos estão resolvidos em seu coração hoje, então se a tragédia bater à sua porta amanhã, você terá a plena certeza de que se doou, amou e viveu a vida completamente, sem nenhum arrependimento, tendo dado a res¬posta correta a todos os "mesmo se..."

CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO — Escolha uma árvore de seu quintal e entalhe nela as suas iniciais e as do seu mari¬do. Entalhe um coração rodeando as iniciais. Depois do jan¬tar dê um passeio pelo quintal deixando que a sua família des¬cubra esta doce inscrição.
PENSAMENTO PARA o DIA - Ela não faz idéia de como a sua confiança e apoio são importantes para mim.
Tim [Tupelo]


CAPÍTULO 24
FELIZES PARA SEMPRE

Os finais felizes ainda existem hoje? Todas as estatísticas nos dizem que em nossos dias é raro um casamento que dure. Domingo passado o meu pastor, Rob Singleton, fez um sermão so¬bre o casamento e começou nos dizendo duas palavras que o irritam como poucas: alma gêmea. Ele participou de muitas sessões de aconselhamento com pessoas que estavam deixando os seus cônju¬ges porque finalmente tinham encontrado a alma gêmea sem a qual não podiam viver. Em outras palavras, a grama do vizinho sempre é mais verde, e as pessoas querem pular a cerca e abandonar o compromisso do seu casamento. Então ele nos disse a seguinte frase, que eu adorei: "A grama não é mais verde deste lado nem daquele lado. A grama é mais verde onde você a rega e aduba". Que verdadeiro! Não posso imaginar uma maneira melhor de regar e fertilizar o nosso casamento do que agir conforme a Palavra de Deus. As Escri¬turas estão repletas de sabedoria no que se refere aos nossos relacio¬namentos e ao projeto de Deus de um bom casamento. Na minha Bíblia (a NIV-Life Application Study Bible), há uma lista de muitos versículos ressaltando a intenção que Deus tem para o casamento.1 Ao estudar esses versículos, julguei que seria apropriado partilhar alguns deles com vocês. Pelo fato de a Palavra de Deus ser viva e ter o poder de transformar vidas, eu penso que esses versículos terão um poderoso efeito em sua maneira de encarar o seu casamento de agora em diante. Eles certamente me ajudaram.

O CASAMENTO É UMA IDÉIA DE DEUS: GÊNESIS 2.18,21,22
"E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-Ihe-ei uma adjutora que esteja como diante dele... Então, o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e to¬mou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão”.
De todas as coisas que Deus fez enquanto criava a Terra e tudo o que há nela, a única vez em que o Senhor disse que algo não estava bem foi quando Adão era o único ser humano. Não estava bem porque o quadro não estava completo. Eva veio para comple¬tar Adão, fazendo uma bonita imagem da unidade que Deus pre¬tendia que vivêssemos em nossos casamentos. O casamento não foi criado para nos trazer problemas nem dor de cabeça, mas como tudo o que existe em nosso mundo imperfeito, os nossos casamen¬tos ficaram manchados com o pecado. O egoísmo aparece em am¬bos os parceiros e pode destruir um relacionamento. Às vezes, fi¬camos desanimados, a ponto de pensar que o casamento é uma pés¬sima idéia. Deus nunca teve uma péssima idéia. O casamento é bom porque é uma idéia de Deus. Se o seu casamento não é bom, como o meu não foi por muitos anos, dirija-se a Deus e peça que Ele lhe mostre como torná-lo melhor.

O COMPROMISSO É ESSENCIAL: GÊNESIS 24.58-60
E chamaram Rebeca e disseram-lhe: Irás tu com este varão? Ela respondeu: Irei. Então, despediram Rebeca, sua irmã, e a sua ama, e o servo de Abraão, e os seus varões. E abençoaram Rebeca e disseram-lhe: Ó nossa irmã, sejas tu em milhares de milhares, e que a tua semente possua a porta de seus aborrecedores! "
Houve muitas vezes em que eu não quis responder como Rebeca: que acompanharia esse homem. Na realidade, algumas vezes eu queria correr na direção oposta! A única coisa que me impedia de correr era o meu relaci¬onamento com Deus e o meu compromisso de honrá-lo. Estou feliz por ter sido fiel ao meu compromisso por¬que, como Rebeca, fui abençoada além do que merecia.
Observe que a bênção não veio antes que ela verbalmente se comprometesse a ir ao encontro de seu homem e começasse a via¬gem. Deixe-me incentivar-lhe, mesmo que você se encontre tentando escapar do seu marido e o seu desejo de permanecer com¬prometida esteja se enfraquecendo; as bênçãos estão à sua frente, se você permanecer fiel ao compromisso de honrar a Deus em seu casamento. Decida-se hoje a dar o primeiro passo em direção a atitudes positivas.

O ROMANCE É IMPORTANTE: CANTARES 4.9,10
"Tiraste-me o coração, minha irmã, minha esposa; tiraste-me o coração com um dos teus olhos, com um colar do teu pescoço. Que belos são os teus amores, irmã minha! Ó esposa minha! Quanto melhores são os teus amores do que o vinho! E o aroma dos teus bálsamos do que o de todas as especiarias!”
Já lemos estes versículos em um capítulo anterior, mas como são encorajadores! Você não deseja ouvir essas palavras dos lábios do seu marido? Quem sabe foi por isso que você começou a ler este livro, para aprender como conquistar o coração dele, de tal forma que ele diga freqüentemente palavras como estas. Nestas páginas já aprendemos muito sobre como manter vivo o romance em nossos casamentos. Deixe que as idéias continuem fluindo e continue a avi¬var as chamas da paixão em seu relacionamento. Seja determinada, tornando-se uma mulher romântica em seu coração.

O CASAMENTO SE BASEIA NA PRÁTICA DO AMOR DE ACORDO COM OS PRINCÍPIOS: Efésios 5.22,25,33
"Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor... Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igre¬ja e a si mesmo se entregou por ela... Assim também vós, cada um em particular ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mu¬lher reverencie o marido".
Não é interessante o fato de não existir frases condicionantes cercando estes versículos? Não há frases como "quando o seu mari¬do for gentil você deverá respeitá-lo", ou "quando você tiver certeza de que ele está tomando a decisão correta, submeta-se a ele". Deus nos instruiu a respeitarmos o nosso marido e nos submetermos a ele — a praticarmos esses princípios de amor porque eles honram a Deus. Se basearmos nossos atos somente em nossos sentimentos, perdere¬mos a meta do plano de Deus para o nosso casamento.
Então, de volta à minha pergunta do início deste capítulo: será que ainda existem finais felizes? Vou deixar-lhe um versículo que considero que nos dá a certeza de que se seguirmos o plano de Deus, os finais felizes certamente existirão: "Ainda se ouvirá a voz de gozo, e a voz de alegria, e a voz de noivo, e a voz de esposa, e a voz dos que dizem: Louvai ao Senhor dos Exércitos, porque bom é o Senhor, porque a sua benignidade é para sempre" (Jr 33.10b, ll).

CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO - Memorize os versículos de Jeremias 33.10,11 para ter coragem. Lembre-se sempre de¬les, e cite-os com freqüência.

PENSAMENTO PARA o DIA - Se basearmos nossos atos somente em nossos sentimentos, perderemos a meta do plano de Deus para o nosso casamento.
Lysa TerKeurst


CONCLUSÃO
NENHUM CASAMENTO É UMA FOTOGRAFIA PERFEITA

Pensei que era um pedido simples: uma fotografia. Eu preci¬sava de uma fotografia minha para outro projeto, e uma de Art e eu juntos para este livro. Art e eu nos encontramos no estúdio fotográfico e começamos a folhear os livros de amostras do fotó¬grafo. "Uau, este tipo de foto parece bom", eu disse mostrando-a ao fotógrafo. Prossegui dizendo: "Eu sou autora de alguns livros sobre casamento, e estamos aqui para fazer uma foto para a contracapa do meu livro".
"Entendo", ele disse com um olhar preocupado. "Vocês não es-tão pensando em fazer uma fotografia externa hoje, estão?"
"Bem, na verdade eu gostaria de uma como esta", eu disse, um pouco abalada quando lhe mostrei a fotografia de um casal em pé em um campo gramado.
"Esse tipo de fotografias precisa de mais planejamento do que a nossa sessão padrão de interiores. Se vocês queriam uma foto como esta, deveríamos ter pensado a respeito com um pouco mais de tem¬po", ele disse levantando as sobrancelhas.
"Oh, está bem, então vamos fazer uma fotografia de estúdio". Eu me sentia um pouco magoada e muito desapontada.
"Muito bem, vamos ver quais roupas vocês trouxeram e vamos escolher uma cor de fundo que dê um contraste agradável".
De repente o nó no meu estômago se torceu e cresceu enquanto eu mostrava o que estávamos planejando vestir e o fotógrafo mostra¬va claramente sua desaprovação. Enquanto isso Art estava em pé olhan¬do-me com aquela cara de "eu te disse", que estava me deixando mais aborrecida a cada minuto. Em primeiro lugar, ele nem queria fazer as fotografias naquele dia. Pensava que precisávamos de algumas sema¬nas para planejar as coisas. Para completar, ele precisava cortar o cabelo. Pensei que um aviso com alguns dias de antecedência seria suficiente. O meu plano era ir, sorrir e riscar isso da lista de tarefas. Como agora eu não estava disposta a sorrir, marcamos outro dia.
É por isso que a fotografia que você está vendo na contracapa do livro não é minha e de meu marido, mas na verdade é de um outro casal... estou brincando.
Agendamos novamente a sessão de fotos para a semana seguinte e fomos para o estacionamento. Eu estava zangada. Art está sempre me dizendo que não devemos fazer as coisas na última hora. Na mai¬oria das vezes, de alguma forma tudo dá certo, mas não desta vez. Eu estava preocupada, nervosa e magoada. Arrumar o cabelo para a foto leva algum tempo, sem falar dos acessórios e das muitas orações para que não apareçam manchas. A vida não é assim? Queremos que as coisas sejam uma fotografia perfeita, e inevitavelmente não são.
Isso é particularmente verdadeiro com os nossos casamentos. Sonhamos em finalmente conhecer aquele alguém especial que fará a nossa vida maravilhosa e então depois do casamento e de um par de filhos nos sentimos desiludidas e desapontadas. Por quê? Nossos corações foram feitos para o Jardim do Éden, mas a vida parece mais o Jardim do Getsêmani.
Fomos feitos para a paz perfeita, a provisão perfeita, o lugar perfeito e o amor perfeito. Nossas almas sofrem de angústia, e às vezes compreendemos mal os planos de Deus. Ao invés de nos voltarmos a Deus e deixarmos que a sua perfeita paz, provisão e o seu amor encham os nossos espaços vazios, partimos para o conserto. Faze¬mos estratégias. Manipulamos. Estabelecemos cronogramas. Procuramos um método de três passos para "mudá-lo".
Nos desgastamos somente para chegar ao fim das nossas reser¬vas emocionais e físicas e perceber que apesar de todos os nossos esforços, não há resposta humana. Nossa esperança reside somente em Jesus Cristo e em seus planos para nós. Jesus quer que os nossos casamentos sejam símbolos do seu amor incondicional e sacrificial por sua noiva, a igreja. Não é de admirar que Satanás queira destruir nossos casamentos. Em Efésios 6 somos avisados de que a nossa luta não é contra o sangue e a carne, mas contra as forças do mal.
Pense outra vez naqueles contos de fadas que ajudaram a mol¬dar os seus pensamentos sobre o casamento. Eles sempre têm um herói, uma heroína e algum personagem do mal. Assim também é a nossa história. Espero que este livro tenha sido útil para lhe incenti¬var e equipar a fortalecer o seu amor por seu marido e frustrar os esforços do mal. Mas isso significa que nunca mais teremos outra discussão conjugal? Não, mas talvez nossa perspectiva será diferen¬te e a nossa decisão de continuar será fortalecida.
Recentemente, eu estava dando uma palestra em um retiro da igre¬ja, e a esposa do pastor, nesta ocasião, contou-me uma história que sempre me ajudará a continuar. Ela contou-me sobre uma jovem mãe em sua congregação que descobriu que tinha câncer de mama. Lutou com todas as suas forças contra a doença, mas sua condição piorava. Em uma tentativa de salvá-la, os médicos tentaram uma última opera¬ção. Durante a cirurgia ela sofreu uma parada cardíaca, e depois de algumas tentativas de ressuscitá-la, os médicos conseguiram trazê-la de volta. Apesar de ter sobrevivido à cirurgia, ao acordar lhe contaram que o câncer tinha se espalhado e que o prognóstico era ruim.
Depois de ouvir o boletim médico, ela reuniu a família e muitos amigos em seu quarto no hospital. Quem estava presente disse que embora o seu corpo estivesse acabado, e fisicamente ela parecesse próxima do fim, o seu espírito estava tão cheio de paz que ela irradi¬ava beleza. Quando todos estavam lá, ela lhes disse que havia morrido durante a cirurgia e os médicos tiveram que trabalhar muito para trazê-la de volta. Ela reviveu, mas não antes de ver um relance da eternida¬de. Ela lhes disse que não teve permissão de ver o rosto de Jesus, mas tinha visto o suficiente para saber que tudo o que a Bíblia promete é verdade. "É tudo verdade", ela disse sorrindo, e lhes disse adeus.
É tudo verdade, minha amiga. Embora não façam sentido aos olhos do mundo, todas as promessas e todos os ensinos de Deus são verdade. O seu marido é um presente com que Deus lhe abençoou por algum tempo. Agarre-se à Palavra de Deus e ao seu plano para o seu casamento. Você será incrivelmente abençoada enquanto dá ao seu marido o presente de ser uma esposa fiel a Deus, e que procura conquistar o coração dele.
CONSTRUINDO o SEU RELACIONAMENTO — No diário do seu ca¬samento, escreva uma carta de agradecimento a Deus, dizen-do-lhe o quanto você aprecia o seu marido.
PENSAMENTO PARA o DIA - É tudo verdade!



NOTAS
CAPÍTULO 2
1. Partes desta história foram publicadas primeiramente no boletim femi-nino da Proverbs 31. Houve uma atualização, uma condensação e todos os textos foram utilizados sob permissão de Curt Whalen.
2. Nancy Groom, Heart to Heart About Men (Colorado Springs: NavPress, 1995), 45-46.
3.1b.
CAPÍTULO 3
1. Stormie Omartian, The Power ofa Praying Wife (Eugene, Ore.: Harvest House, 1995), 17.
CAPÍTULO 4
l. Sister Mary Rose McGready, Please Help Me God.
CAPÍTULO 5
1. Stu Weber, Four Pillars ofa Man s Heart (Sisters, Ore.: Multnomah, 1997), 258, 259.
CAPÍTULO 6
1. John Eldredge, Wild at Heart (Nashville: Thomas Nelson, 2001), 9.
2. Ib., 82.
3. Lance Morrow, "Men: Are They Really That Bad?" Time, 14 de fevereiro de 1994, 54.
CAPÍTULO 8
1. Robert e Rosemary Barnes, Rock Solid Marriage (Grand Rapicls: Zondervan, 1996), 163.
2. Ib. 165.
3. Partes deste capítulo fazem parte da obra Seven Life Principies for Every Woman, de autoria de Sharon Jaynes e Lysa TerKeurst (Chicago: Moody, 2001), 68-70.
4. Robert Lewis e William Hendricks, Rocking the Roles (Colorado Springs: NavPress, 1991), 117.
CAPÍTULO 9
1. Dr. Douglas Rosenau, A Celebration of Sex (Nashville: Thomas Nelson, 1994), 86.
2. Ib. 91.
3. Robert e Rosemary Barnes, Great Sexpectations (Grand Rapids: Zonder van, 1996), 157.
CAPÍTULO 10
1. Comentário sobre Filipenses 4.10-14 extraído da NI V Life Application Study Bible (Wheaton e Grand Rapids: Tyndale e Zondervan, 1988), 2154.
2. Chuck Snyder, Men: Some Assembly Required (Colorado Springs: Focus on the Family, 1995), 35.
CAPÍTULO 11
1. Patrick Morley, What Husbands Wish Their Wives Knew About Men (Grand Rapids: Zondervan, 1998), 89.
CAPÍTULO 13
l. Lysa TerKeurst, Capture Her Heart (Chicago: Moody, 2002), 76.
CAPÍTULO 15
1. Robert Lewis e William Hendricks, Rocking the Roles (Colorado Springs: NavPress, 1991), 127.
2. Ib.
CAPÍTULO 17
1. Bill e Pam Farrel, Men are Like Waffles, Women Are Like Spaghetti (Eugene, Ore.: Harvest House, 2001), 11, 12. Usado com permissão do autor.
2. Ib., 13.
CAPÍTULO 18
l. Nancy Cobb e Connie Grigsby, How to Get Your Husband to Talk to You (Sisters, Ore.: Multnomah, 2001), 241, 242.
CAPÍTULO 19
1. Gregory J. P. Godek, Romantic Dates (Naperville, 111.: Casablanca, 1997), 52,53.
2. Richard Restak, M. D., The Brain (New York: Bantam, 1984), 242, 245.
3. Gary Smalley e John Trent, The Language of Love (Pomona, Calif.: Focus on the Family, 1988), 35, 36.
4. D. Kimura, "Early Motor Functions of the Left and Right Hemisphere," Brain 97:337-350.
5. RobertKohn, "Patterns of Hemispheric Specialization in Pre-Schoolers," Neuropsychologia 12:505-512.
6. J. Levy, "The Adaptive Advantages of Cerebral Asymmetry and Communication," Annuals of the New York Academy of Sciences 229:264-272.
7. Dr. James e Shirley Dobson,NightLight (Sisters, Ore.: Multnomah, 2000), 201.
8. Ib.
CAPÍTULO 20
l. Dave e Jan Dravecky com Ken Gire, When You Can 't Come Back (Grand Rapids e San Francisco: Zondervan e Haper Collins, 1992), 126, 127.
CAPÍTULO 21
l. John Eldridge, Wild at Heart (Nashville: Thomas Nelson, 2001), 192.
2. Patrick Morley, What Husbands Wish Their Wives Knew About Men (Grand Rapids: Zondervan, 1998), 172, 173.
3. Chuck Snyder, Men: Some Assembly Required (Colorado Springs: Focus on the Family, 1995), 34.
CAPÍTULO 22
1. Leslie Vemick, How to Act Right When Your Spouse Acts Wrong (Colorado Springs: Waterbrook, 2001), 99.
CAPÍTULO 24
l. "What the Bible Says About Marriage", NIV Life Application Study Bible (Wheaton e Grand Rapids: Tyndale e Zondervan, 1988), 9.




Lysa TerKeurst
preside o Ministério Provérbios 31, e é apresentadora de um programa de rádio. É autora de Living Life on Purpose, The Sweetest Story Ever Told e co-autora do livro Seven Life Principies for Every Woman. Lysa vive com seu marido Art, nas imediações da cidade de Charlotte, no estado da Carolina do Norte, com suas três filhas.
MINHA VIDA.

Nenhum comentário